(21) 99707-1911

13 de agosto de 2019 - Por DefinitSite

Pesquisa realizada em fevereiro de 2019 pela NZN Intelligence com 3,5 mil consumidores de todo o país revelou que 74% deles compram regularmente em lojas virtuais, pelo menos uma vez por mês.

Esse número de fato demonstra que o setor de e-commerce continua em movimento apesar da crise e isso é um incentivo para que lojistas se aventurem neste mercado promissor. Contudo, ter capital e força de vontade não é o bastante. É fundamental montar uma estratégia de negócio para que sua loja alcance os resultados pretendidos.

Este artigo tem a finalidade de ajudar a você, lojista, montar uma estratégia que evite dores de cabeça e faça-o entrar com “o pé direito” no mercado de e-commerce.

1) Cuidado com seu estoque

Antes de começar a vender, o lojista precisa definir se vai trabalhar com o estoque ou venderá sob demanda.

Se você tiver um espaço para armazenar produtos, trabalhar com uma plataforma que possibilite o controle do estoque será o mais indicado, pois poderá fazer compras em grande quantidade e oferecer preços competitivos, além de prazos de entrega menores. Mas, cuidado! Se você possui uma loja física não trate o estoque dela e da loja virtual como uma coisa só. Muitas lojas causam grande frustação em seus clientes quando precisam cancelar uma compra feita na loja virtual de produtos que já foram vendidos na loja física. Trate sua loja virtual como uma filial com estoque próprio.

Se não tem espaço físico para armazenar seus produtos ou alguns deles são muito grandes para serem estocados, você pode trabalhar com venda sob demanda. Nessa modalidade, a loja solicita o produto ao fornecedor para enviar ao cliente somente quando a compra é efetivada. Logicamente, a loja terá que trabalhar com prazos de entrega mais longos para que haja tempo do produto chegar a loja e ser encaminhado para o cliente. Esses prazos devem ser informados ao cliente no momento da compra para que ele esteja preparado para a espera dos produtos.

2) Busque o menor custo para o frete

O valor do frete é um dos fatores decisivos para que um cliente decida comprar ou não em sua loja, pois é ele quem irá pagar esse valor. Por esta razão, você deve buscar reduzir ao máximo o custo desse frete.

Se seus produtos são pequenos e pesam até 30 Kg, o mais indicado é trabalhar com os Correios, pois é uma das modalidades de frete mais em conta no mercado. Agora, se você tiver produtos grandes com peso superior a 30 Kg, inevitavelmente você vai ter que trabalhar também com transportadoras. Cada transportadora possui uma tabela de frete própria e atende à determinadas localidades, então é provável que você trabalhe com mais de uma. Compare preços e negocie para que seu cliente possa pagar o melhor frete.

Uma dica para você conquistar uma boa clientela na sua cidade ou cidades próximas de sua empresa é contratar serviços de entrega por motoboys e ciclistas que oferecem valores de fretes até mais baratos que os Correios.

O frete grátis é um grande atrativo para o cliente, mas deve ser usado com cautela para que não haja prejuízo para sua empresa. Dois fatores devem ser levados em consideração na hora de liberar o frete grátis em sua loja: o primeiro, é o valor mínimo que o cliente deve comprar para obter o frete grátis, e o segundo, o custo de envio dos produtos para o endereço de entrega. Você deve fazer os cálculos para verificar em quais condições o frete grátis será possível.

3) Aceite as principais formas de pagamento

As lojas virtuais recebem pagamentos através de serviços conhecidos como intermediadores de pagamento. Os mais conhecidos são a Cielo, o PagSeguro, o PayU (antigo BCash) e o PayPal.

Os intermediadores se comunicam com a loja virtual em uma camada mais profunda. O cliente realiza seu cadastro e insere os dados de seu cartão sem sair do ambiente da loja. Esses dados são enviados ao serviço de intermediação através de um canal seguro e em poucos segundos o cliente recebe a mensagem de que sua compra foi aprovada ou não.

O principal fator que vai pesar na sua escolha de qual intermediador usar serão as taxas cobradas em cada operação. Os intermediários trabalham com taxas iniciais que podem ser negociadas na contratação e podem ser reduzidas ainda mais quando sua loja atingir um grande volume de vendas.

4) Escolha a melhor plataforma para a sua loja

Tempos atrás, construir uma loja virtual tinha um custo elevado, pois era necessário contratar um profissional ou empresa com especialização em webdesign e programação para desenvolver o projeto a partir do zero.

Há quem ainda prefira montar sua loja desta forma, sob medida, devido a particularidades que um negócio ou outro pode ter, porém, na maioria dos casos, as plataformas de e-commerce já possuem todos os recursos necessários para realizar vendas pela internet. O cliente precisará somente construir o layout (visual) da loja e cadastrar seus produtos.

A escolha da melhor plataforma dependerá de suas decisões a respeito de como será seu controle de estoque, quais modalidades de frete irá disponibilizar para seus clientes e quais formas de pagamento serão aceitas. Estando ciente do que vai precisar, monte uma lista de perguntas e entre em contato com o suporte de cada plataforma que você pesquisar para saber se ela realmente atenderá às suas necessidades. Além disso, verifique se o proprietário da plataforma oferece treinamento e um bom suporte técnico.

Se depois de ler esse artigo você ficou interessado(a) em montar sua loja virtual na Internet, te convido a conhecer a plataforma de e-commerce da DefinitSite que possui todos os recursos que um lojista precisa para começar a vender online de forma profissional.

Estarei à sua disposição. Até a próxima.

Outros Artigos

Sete em cada 10 consumidores brasileiros fazem compras pela internet regularmente